Começa no Catar a sexta edição do Fórum Mundo Islâmico e América

Receita de Começa no Catar a sexta edição do Fórum Mundo Islâmico e América

A | A
Essa edição conta com a participação da nova administração americana que promete investir em relacionamento baseado em respeito e interesses mútuos com o mundo islâmico.

Começou hoje em Doha, capital do Catar, o sexto Fórum do Mundo Islâmico e América.

Os participantes do Fórum discutem questões relacionadas a ambos os lados, incluindo formas de superar o crescente distanciamento entre o mundo islâmico e a América desde os atentados terroristas em 11 de setembro de 2001.

A crise financeira internacional e o desenvolvimento humano fazem parte dos temas a ser discutidos no fórum que carrega o título de “desafios comuns”. 

O encontro conta com a presença de um seleto grupo de intelectuais, autoridades políticas e religiosas do Catar e de outras partes do mundo. Na sexta edição será realizada a primeira reunião do conselho consultivo internacional para as relações entre o Mundo Islâmico e a América com a participação de 20 autoridades internacionais. A reunião será presidida pelo primeiro ministro e chanceler do Catar, Sheikh Hamad bin Jassim bin Jabr Al-Thani.

Segundo o correspondente da AL-Jazeera, Haitham Abu Salih, a novidade é que essa edição conta com a participação da nova administração americana que promete investir em relacionamento baseado em respeito e interesses mútuos com o mundo islâmico, o que pode resultar na elaboração de um documento pelos políticos Americanos contendo um plano de medidas para o início de uma nova fase de relacionamentos. 

As atividades começaram na tarde desse sábado (14) com um seminário intitulado "enfrentando os desafios comuns em questões globais emergentes", que será seguido por uma reunião especial sobre o conflito árabe-Israelense.

Depois será convocada reunião extraordinária entre líderes árabes e internacionais que discutirão questões relativas à mulher, religião, ciência e tecnologia.

No segundo dia o fórum discutirá a crise econômica mundial e o modo de reagir a ela, alem de questões energéticas e a governança no mundo islâmico.

com al-Jazeera