Principal > Cultura > Notícias
Português العربية
publicidade
    Monday, November 18, 2019
ArabesQ
Newsletter

Receba as nossas notícias por e-mail


Propaganda “Anti-Islamica” aprece nas maiores cidades dos Estados Unidos

 Imprimir | 29/07/2010 A | A
Publicidade
Consciencia Jeans

Uma propaganda anti-islamica está tomando as ruas das maiores cidades dos Estados Unidos, usando o transporte público para levantar o debate sobre o lugar da religião islâmica na sociedade americana.

Um grupo que se autodenomina "Parem a islamização da America” contratou uma campanha publicitária no transporte público de diversas cidades americanas incentivando os muçulmanos a abandonar sua religião.

O anúncio diz: “Fatwa te pressionando? A sua família está te ameaçando? Abandonando o islã? Tem perguntas? Tenha respostas.”

O debate sobre o Islã nos Estados Unidos se exacerbou após o anúncio do plano para a construção uma mesquita no local das torres gêmeas do World Trade Center em Nova York. Mas a campanha anti-islamica parece ser parte de uma guerra publicitária a uma campanha islâmica realizada recentemente nos EUA no intuito de esclarecer o islamismo para os Americanos e promover melhor aceitação dos muçulmanos na sociedade americana, já que essa religião continua sendo um mistério para muitos nos Estados Unidos.

O anúncio de grupos islâmicos dizia: “O modo de vida de Adão, Noé, Abraão, Moises, Jesus e Maomé. O Islã. Tem dúvidas? Tenha respostas”. Outra campanha lançada pela comunidade islâmica Ahmadyya pregava: “Muçulmanos pela paz, amor para todos, ódio para ninguém”.
Os anúncios fazem parte de um grande debate sobre a imagem do Islã afetada pelos extremistas de todos os lados no mundo.

A "anti-jihadista", Pamela Geller é uma blogger conservadora e diretora-executiva da “Parem a islamização da América”, criou a campanha incentivando o abandono do Islã. Segundo ela a campanha foi inspirada em um caso que teria ocorrido na Flórida envolvendo uma adolescente que fugiu de seus pais muçulmanos após a conversão ao cristianismo. A menina, Rifqa Bary, afirmava no ano passado que seu pai ameaçou matá-la por isso.

Geller descreveu sua campanha como "uma defesa da liberdade religiosa" e objetiva principalmente "ajudar ex-muçulmanos que estão em apuros" e "sensibilizar para a ameaça que os apóstatas vivem até no Ocidente."

Mas algumas organizações de direitos religiosos alegam que a real intenção é a de incitar o medo sobre uma fé que, de acordo com estudos recentes, continua a ser mal interpretada na América. Uma pesquisa de 2009 do Pew Research Center constatou que 38% acreditam que o Islã incentiva mais a violência do que outras religiões. A pesquisa também indica diversos outros pontos de ignorância sobre essa religião.

"Neste mundo, após 9/11, é quase como se houvesse algum ganho político e espiritual por ser anti-islâmico", diz Steve Spreitzer, diretor de um grupo inter-religioso em Detroit Michigan, que prega diversidade e inclusão.

Grupos de direitos islâmicos e líderes religiosos dizem que não há nenhuma penalidade para quem deixa o islã e que o Alcorão condena o assassinato como um pecado. Os líderes afirmam que “enquanto a campanha islâmica prega maiores esclarecimentos e compreensão, a outra prega o ódio e o medo contra o Islã, agindo negativamente na busca por uma sociedade mais tolerante”.

 Imprimir

COMENTÁRIOS
 
Edmundo 7/30/2010 11:23:13 AM
A maioria dos povos ocidentais, pensam que o Islamismo prega a violencia e o odio aos não muçulmanos. Como Cristão Católico devo reconhecer os erros da Igreja Catolica no passado, do qual João Paulo II, pediu perdão ao mundo, como os atuais crimes de pedofilia. Aos Judeus cabem reconhecer seus crimes praticados contra os Palestinos. Hoje na Arabia Saudita não existe a tolerância religiosa. A culpa é das religioões ou das pessoas? è claro que é das pessoas, porem, existe uma armação iniciada por Bush, para combater o Islamismo, como se fosse uma querra santa, logo por este despota. Então deve haver uma campanha por parte dos muçulmanos, esclarecendo o verdadeiro Islamismo. Pois o nosso Deus - Cristão, Judeu ou Muçulmano é unico.

Fatima 7/30/2010 4:16:00 PM
Acho que os judeus sionistas é que propagam o culto conta o Islã, principalmente o loby sionista que vive na América e espalha a intolerância no mundo inteiro, não somente na América. Infelizmente a mídia ocidental é dominada por esses grupos racistas que gostam de denegrir a imagem dos árabes, não somente dos muçulmanos. Cabe a nós mostrarmos e combatermos esse tipo de intolerância! Denunciando sempre e procurando mostrar a verdade! Pior do que os judeus praticam na Palestina? Nem o Nazismo!

Saad Mahmmoud 8/15/2010 5:31:50 PM
A intolerância anglo saxã aliada aos poderosos grupos sionistas que dominam a consciência de governantes e lideranças estadunidenses é a grande causadora desta campanha.Temerosa de perder seus status quo e apavorada com o número cada vez maior de americanos que descobrem A VERDADE DO ISLAM utiliza esse tipo repugnante de prática. Não vão conseguir !!!!

Rogério 11/5/2010 11:35:22 AM
A resposta dos muslim é o antisemitismo, depois querem que gostemos deles (não sou judeu, tá?).

Cel Pinheiro 12/22/2011 6:42:28 AM
Como é bonito ver islamitas discursando no Ocidente enquanto seus líderes, nas nações do islã, assassinam barbaramente os cristãos, só por serem cristãos. Isso os que gozam da liberdade aqui, não se manifestam.

E você, o que acha disso?
*Título
*E-mail
*Nome
*Comentário
*País
Enviar
* Todos os campos são necessários, o email não será exibido junto ao comentário. Não serão aprovados comentários com conteúdo indecente, racista, desrespeitoso e que não seja relacionado ao assunto comentado.
ArabesQ não se responsabiliza pelo conteudo dos comentários.
Rádio Arabesq

VEJA TAMBÉM
MAIS VISTOS

Copyright © 2009 ArabesQ, todos os direitos reservados.