Árabes investem R$ 8,3 bi em publicações literárias ao ano

Receita de Árabes investem R$ 8,3 bi em publicações literárias ao ano

A | A
Apesar da falta de números precisos sobre o tamanho dos investimentos árabes na publicação de livros, o presidente da Federação das Editoras Egípcias defende que o valor anual ultrapassa os 5 bilhões de dólares

Apesar da falta de números precisos sobre o tamanho dos investimentos árabes na publicação de livros, o presidente da Federação das Editoras Egípcias defende que o valor anual ultrapassa os 5 bilhões de dólares (8,25 bi reais). Apesar do número expressivo, somente 400 mi de dólares desses seriam destinados a livros de cultura geral enquanto o restante é dedicado aos livros didáticos e publicações governamentais.

Mohamed Rashad diz que o mundo árabe em geral publica anualmente 30 mil títulos, dos quais somente 5 mil são de cultura geral.

Rashad é coautor de uma pesquisa intitulada "A relação entre a editora e as bibliotecas públicas", apresentada no Primeiro Fórum Internacional de Literatura, Bibliotecas e Leitura sob o título "Quais são as formas ideais para atualizar o público leitor?". O estudo tem a colaboração de especialistas em biblioteconomia da Argélia, Tunísia, Líbano, França e Senegal.

O Fórum é uma das atividades do festival internacional de literatura e jovens escritores, que teve abertura na quarta-feira passada sob o slogan "Liberte a sua imaginação", com a participação de 30 escritores de 15 países árabes e estrangeiros.

O festival tem duração de uma semana, expõe livros de centenas de editoras e promove atividades culturais como noites de poesia, literatura e caligráfica.

Rashad lamenta que o editor árabe seja forçado a reduzir o número impresso de cada livro de cultura geral para no máximo 2000 copias, já os livros infantis comportam  entre 3 e 5 mil copias. Ele alega que a falta de investimento publico e o pouco interesse das  bibliotecas sejam os principais fatores.

As normas internacionais defendem a existência de uma biblioteca publica para cada 6 mil habitantes. No entanto no mundo árabe só há 4500 bibliotecas para mais de 200 milhões de habitantes, segundo Rashad. Para seguir as normas os países árabes deveriam criar mais 35 mil bibliotecas.