BlackBerry ameaça a segurança de alguns países árabes

Receita de BlackBerry ameaça a segurança de alguns países árabes

A | A
A proibição de alguns serviços do BlackBerry na Arábia Saudita entrou nesta sexta em vigor parcialmente, enquanto espera-se que a companhia canadense fabricante do telefone celular e as autoridades sauditas.

A proibição de alguns serviços do BlackBerry na Arábia Saudita entrou nesta sexta em vigor parcialmente, enquanto espera-se que a companhia canadense fabricante do telefone celular e as autoridades sauditas alcancem um acordo para superar as desavenças que levaram à decisão.

Os Emirados Árabes Unidos também decidiram interromper alguns serviços do aparelho a partir de outubro desse ano, medida que pode ser seguida por, índia, Líbano e Argélia, países que estudam os perigos de segurança oferecidos por alguns serviços do BlackBerry.

Arábia

Em 1º de agosto, as autoridades da Arábia Saudita anunciaram que a partir desta sexta-feira fica suspenso o serviço BlackBerry Messenger (troca de mensagens instantâneas) por descumprimento as normas técnicas locais.

A decisão se deve a questões de segurança e também morais, vinculadas às leis sociais na Arábia Saudita, um dos países mais conservadores do Oriente Médio.

Desde a meia-noite a normativa está em vigor. Dentre as companhias que utilizam o BlackBerry com atuação no país, no entanto, só a detentora do menor mercado está adotando. As outras duas continuam oferecendo os serviços, como informaram meios de comunicação locais.

Isso gerou rumores de que as negociações entre Arábia e BlackBerry podem ter avançado. Uma fonte próxima do governo garantiu que a empresa canadense mostrou “maior flexibilidade nos últimos dias, e ambos os lados começaram a discutir questões técnicas” sem dar maiores detalhes.

Segundo fontes, os governos de alguns países desejam obter informações sobre os usuários do aparelho, as mensagens, os bate-papos e até e-mails.

A fabricante canadense de ''smartphones'' ''Blackberry'' negou, esta terça-feira, ter oferecido a alguns governos acesso aos dados de seus clientes após a decisão da Arábia Saudita e dos Emirados Árabes Unidos de suspender ou restringir a maior parte de seus serviços.

A Research in Motion (RIM) "coopera com todos os governos sob a mesma norma e o mesmo grau de respeito", informou a empresa canadense.

"Qualquer afirmação segundo a qual proporcionaríamos ou já proporcionamos algo único ao governo de um país particular, sem oferecê-lo a todos, é infundada", acrescentou a RIM em comunicado.

Com agências internacionais