Cedro do Líbano ameaçado pelas mudanças climáticas

Receita de Cedro do Líbano ameaçado pelas mudanças climáticas

A | A
A árvore que sobreviveu o abuso indiscriminado no passado corre risco com os aumentos da temperatura

O Cedro, símbolo da nação e centro da bandeira libanesa, pode estar ameaçado de extinção, pois diminuiu consideravelmente a quantidade da arvore nos últimos anos no Líbano.

Os cedros crescem em regiões frias e altas, por isso encontraram nas grandes áreas ao sul da Turquia e nas montanhas ao oeste da Síria e do Líbano, um local ideal para seu desenvolvimento.

Por ser considerada a melhor madeira para a construção naval foi usada em tempos antigos de forma indiscriminada, fato confirmado por estudos arqueológicos e pelo conto épico sumério de Gligamesh, datando do segundo milênio a.C.

Essas árvores foram apreciadas pelos antigos fenícios e egípcios, que as utilizavam para construir principalmente embarcações; Os turcos otomanos também abusaram de sua madeira ao longo dos 500 anos que dominaram a região; As forças britânicas, durante a Segunda Guerra Mundial, usaram o Cedro na construção da ferrovia que ligava a cidade de Trípoli à cidade de Haifa.

Era ainda costume queimar-se este tipo de Cedro em diversas cerimónias solenes. Moisés aconselhava os sacerdotes judaicos a utilizarem a sua casca durante a circuncisão e no tratamento da lepra. De acordo com o Talmude, os Judeus queimavam madeira de Cedro no Monte das Oliveiras para anunciar o início do ano novo

Este uso de épocas remotas colaborou significativamente para a diminuição da espécie na região, mas o uso pessoal não regulamentado e o trafico de madeira, somados à mudança climática e o aumento das temperaturas, ameaçam seriamente a existência do Cedro.

Hoje o Cedro cobre no total 21.000 metros quadrados do território libanês. Especialistas acreditam que a idade dessas árvores se aproxima de 2.000 anos, sobrevivendo a todo o abuso do passado, mas as alterações climáticas são a maior causa da diminuição das árvores na última fase. Com o aumento das temperaturas, os cedros, estão tendo seu território limitado cada vez mais às grandes altitudes.

As árvores do Cedro no Líbano estão recebendo hoje atenção e proteção, as que estão na região de Al-Baruk se reproduzem naturalmente, essa região possui 524 espécies de plantas, além de uma rica variedade de pássaros, répteis e animas selvagens dentre eles o porco selvagem, o lobo e a raposa vermelha.

2004 foi ano em que existiu o maior numero de cedros no Líbano no último século, chegando a 28mil árvores, mas o numero decaiu para 21mil em 2005.

A região de Bishere tem os cedros mais famosos no Líbano, mesmo que existam em poucas quantidades, é um destino importante dos turistas.

As regiões que possuem os Cedros foram visitadas por apenas 17 mil pessoas em 2006, já no ano passado o número se reduziu a 14 mil pessoas, resultado da queda do turismo em geral devido às diferenças políticas e a deterioração da situação de segurança no Líbano nos últimos três anos.

Autoridades de turismo no Líbano, acreditam que com o caminhar de uma solução política local podem ter esperança para o regresso dos turistas que ajudam a investir para salvar o Cedro.